Follow by Email

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

No Ibirapuera, os dois lados de SP se encontram


Por uma hora, os dois lados de São Paulo se encontraram no Parque do Ibirapuera: os moradores da periferia, que descem dos ônibus na Avenida Pedro Álvares Cabral, e os frequentadores de classe média e alta, que vêm a pé, de bicicleta, ou estacionam nas ruas da Vila Nova Conceição.

Em um momento em que policiais e civis são mortos de forma aparentemente indiscriminada, por ordens enviadas das prisões, o rapper Emicida eletrizou cerca de 2 mil pessoas ontem à tarde, com sua narrativa da pobreza e da violência.

"Israel está em guerra com a Palestina. E lá está morrendo menos gente do que aqui. E lá tem bombardeio", comparou Emicida, um dos mais importantes rappers do País, em palco ao lado do Museu Afro Brasil. "O clima está muito tenso na nossa cidade. Precisamos ficar ligados nisso."

"Daqui eu vejo uma caranga do ano toda equipada e o tiozinho guiando. Com seus filhos ao lado estão indo ao parque, eufóricos brinquedos eletrônicos", cantou Emicida, descrevendo uma cena que poderia ter lugar ali do lado, na Avenida República do Líbano. "Automaticamente imagino a molecada lá da área como é que tá. Provavelmente correndo pra lá e pra cá, jogando bola descalços nas ruas de terra."

Chamada Fim de Semana no Parque, a canção, dos Racionais MC's, continua assim: "No último Natal, Papai Noel escondeu um brinquedo prateado, brilhava no meio do mato. Um menininho de 10 anos achou o presente. Era de ferro com 12 balas no pente. E fim de ano foi melhor pra muita gente. Eles também gostariam de ter bicicleta, de ver seu pai fazendo cooper tipo atleta. Gostam de ir ao parque e se divertir, e que alguém os ensinasse a dirigir. Mas eles só querem paz e mesmo assim é um sonho. Fim de semana do Parque Santo Antônio."

Parte da plateia - principalmente os da periferia - acompanhava cantando de cor, enquanto outros balançavam as mãos em sinal de apoio. "A rua é nós", gritou Emicida. "O reconhecimento de Zumbi é muito importante, porque o livro de história não fala sobre isso", continuou, referindo-se à figura mítica do movimento negro contra a escravidão. "Se o rap fraquejar, a favela vai ser o quê?", cantou no final, enquanto muitos se perguntavam: "A cidade vai ser o quê?"

Fonte: http://www.jornaldiadia.com.br/index.php/eventos-e-acontecimentos/111684-no-ibirapuera-os-dois-lados-de-sp-se-encontram

Nenhum comentário:

Postar um comentário